sexta-feira, 13 de agosto de 2010

BRINQUEDOS


Sem pilhas nem motores, sem chips nem memórias, os brinquedos moviam-se com os nossos gestos e tinham a forma, a dimensão e a magia que a nossa imaginação lhes dava.