terça-feira, 28 de setembro de 2010

O SERPINHA

 

O Quelinho, o Serpinha e o Inácio, nasceram irmanados na pobreza, na desgraça mais profunda que é a falta de tino. Aqui cresceram e sobreviveram da esmola, do dó, da pena, mas, ao mesmo tempo, do enquadramento solidário que não permitia a indiferença.Falavam por palavras breves ou frases curtas, vestiam-se de roupas usadas e uma vez no ano, das farpelas novas que a D. Mariana lhes dava, como fazia a muitos pobres. Viviam sem idade, sem tempo, sem referencias, por isso, todos os anos o Serpinha ía às sortes, colocava as respectivas fitinhas e depois, fazia a festa como se fôra mancebo. Não faltavam à festa de S. Miguel que encabeçavam como uma espécie de mascotes.O Quelinho era bondoso, o Serpinha já afinava e o Inácio enfurecia-se à menor contrariedade.
E durante anos, enquanto Castro teve memória,toda a gente se lembrava da cena do Serpinha, em plena igreja, quando foi admoestado pela beata D. Marquita e lhe respondeu, em alto e bom som : " Marquita, Marquitona,a igreja é tua? O Padre é teu ? A esmola que me dás todas as semanas, mete-a no meio das mamas" ...
Posted by Picasa