quarta-feira, 22 de maio de 2013

AÇORDA

NESTE ALENTEJO MAIS AO SUL , não havia outro manjar tão saboreado como a açorda. Nas mesas abastadas comia-se para desenjoar da carnunça e eram feitas com paladares variados, do bacalhau à pescada, ou mesmo singelas, se a dieta assim o reco...mendava.
Umas sopinhas de açorda caiam sempre bem e para os estômagos mais débeis, era aconselhavel serem fervidas .
Nas casas mais pobres, alternava-se entre os coentros e os poejos, com uma tampinha de azeite , dois dentes de alho, agua a ferver e sopas a mergulhar umas atras das outras, depois da prova do sal estar feita.
Era já homem quando provei uma açorda de perdiz. Foi em Almodovar e fiquei rendido, ao sabor do caldinho. Anos mais tarde, em Entradas, também me deliciei com açorda de fraca e daí em diante, de vez em quando, vai uma.
Voltou a acontecer esta noite, depois de semanas de pedidos e empenhos dos amigos que aqui pelas redondezas vão descobrindo os melhores tesouros da nossa gastronomia e depois fazem o favor de me convidar para lhes fazer companhia à mesa.